segunda-feira, 19 de junho de 2017

Centro Português de Fotografia - CPF/Porto


Este post foi escrito em comemoração à #MuseumWeek, que, em 2017, vai de 19 a 25 de junho. A blogagem coletiva foi organizada pela Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem - RBBV, e vai falar sobre o Centro Português de Fotografia, que fica no Porto, em Portugal.

Veja a nossa participação em outras ações desta natureza clicando aqui.

O Centro Português de Fotografia existe de 1997 e tem por objetivo assegurar uma política nacional para a fotografia, com a missão de salvaguardar, valorizar e promover o patrimônio fotográfico. Que legal isso, né? Aqui no Brasil as políticas nacionais obrigatórias são deficientes, quem dera ter uma para a fotografia...

A gente foi visitar esse belíssimo espaço porque a minha irmã é fotógrafa e, em razão disso, buscamos, tanto em Amsterdã, como em Porto e Lisboa, lugares cujo tema central fosse a fotografia, o fotojornalismo, etc. Quer conhecer mais sobre o trabalho dela? Clique aqui para ver o blogue e aqui para curtir a fanpage.




Voltando ao CPF, então, preciso contar que o prédio começou a ser construído em 1767 e demorou 30 anos para ser concluído. Alojou o Tribunal e a Cadeia de Relação, sendo que na parte inferior ficavam as celas, hoje transformadas em salas para exposições temporárias, e os andares superiores eram destinados ao Tribunal, com melhores acabamentos. 



O espaço abriga a Coleção Nacional de Fotografia, que permite compreender os diversos processos fotográficos. É constituída de mais 8 mil documentos, todos inventariados e catalogados, que acaba por contar um pouco da história mundial da fotografia.


Dos andares superiores, o que impressiona é a bela vista da cidade do Porto. Vê-se o Douro, a Sé e os característicos telhados vermelho que compõem a cidade. Impossível não ficar admirando a paisagem durante algum tempo.





O CPF abriga, ainda, uma coleção fantástica de câmeras e de equipamentos fotográficos. Tem de todos os modelos, tamanhos, tipos e marcas que se possa imaginar. A coleção foi iniciada por António Pedro Vicente, historiador e professor catedrático de História Contemporânea na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, que se interessava por fotografia e juntou cerca de 1900 peças. Atualmente a coleção conta com a contribuição de outros importantes fotógrafos portugueses, chegando a quase 6 mil peças!






O acesso a essa e outras exposições é gratuito, dentro do horário de funcionamento do CPF, que fecha às segundas-feiras. Pode ser agendada visita guiada. Saiba mais no saite.


Mais um museu top em Portugal. Vale muito para conhecer a história da fotografia e para ver a linda vista da cidade do Porto.

Veja outros blogues participantes da ação e aproveite para descobrir muitos museus interessantes ao redor do mundo.



1) Trilhas e Cantos:  Museu Casa dos Contos, em Ouro Preto, Minas Gerais.  
2) Tá indo pra onde?: Museus e experiências além do básico em Barcelona 
3) Mariana Viaja: National Gallery of Art, em Washington;  
4) Turistando.in: Visitando o Museu de História da Arte de Viena (Kunsthistorisches Museum);
5) Vamos Por Aí: Meus Museus Favoritos;
6) Viajar correndo: Museu Light da Energia, Rio de Janeiro;
7) Guia do Nômade Digital: Galeria 11/07/95: Galeria sobre o Genocídio na Bósnia e Herzegovina;
8) Uma Viagem Diferente: 4 Museus Imperdíveis em Florença;
9) Quase Nômade: Museu Iberê Camargo, em Porto Alegre;
10) Gastando Sola Mundo Afora: Museo de Arte Precolombino de Cuzco;
11) Passeios na Toscana; Florença do alto: as Torres abertas à visitação;
12) Cantinho de Ná: Museu do Futebol em São Paulo: paixão, história e entretenimento;
13) Destino Compartilhado: Museu Lasar Segall;
14) Entre Polos:  Museu Nacional do Hermitage - São Petersburgo - Rússia;  
15) Mulher Casada Viaja: Exploratorium - Museu de São Francisco, Califórnia;
16) TurMundial:  Museu do Picasso em Málaga, Barcelona e Antíbes;
17) Monday Feelings: Museus de graça na Itália todos os primeiros domingos do mês;
18) Farrabadares: Memorial São Nikolai em Hamburgo;
19) Itinerário de Viagem: MET Museum em Nova Iorque;
20)Viajar hei: Museu Imperial - Petrópolis - Rio de Janeiro;
21) Sol de Barcelona: Museu Olímpico e do Esporte - Barcelona;  
22) Família Viagem:  Children’s Museum of Houston - Texas com crianças;
23) Muita Viagem: Museu Casa Pueblo - Punta Ballena, Uruguai;  
24) Viaje na Web: American Museum of Natural History - Museu de História Natural de Nova York;
25) Aquele Lugar: Museus do Vaticano - Roma - Itália;
26) Viagem LadoB: Ilha dos Museus - Berlim;
27) Viajento: Museo Santuarios Andinos - Arequipa, Peru;
28) MEL a Mil pelo Mundo; Museo de Ciências Naturais de Madrid;
29) Caixa de Viagens; Museu Charlie Chaplin: o Chaplin’s World em Vevey, Suíça;
30) Let's Fly Away: Museu Botero, Bogotá, Colômbia;
31) Viajo com filhos: Nemo Science Museum, em Amsterdã, Holanda;
32) Sonhando em Viajar: Catetinho, em Brasília, Brasil;
33) Viajoteca: Batik na Indonésia: Museu Têxtil em Jakarta, Indonésia;
34) Mochileza: Museu do Automóvel de Turim, Itália;
35) Comendo Chucrute e Salsicha: Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires, Argentina;
36) 1001 Dicas de Viagem: Museu Histórico de Berna, Suíça;
37) Estrangeira: 8 Museus Imperdíveis em Barcelona, Espanha;
38) Devaneios de Biela: Museu Nacional da Finlândia em Helsinki;
39) ILoveTrip: Top 7 Museus em Brasília que você precisa conhecer;
40) Me Deixa Ser Turista: Conheça o Museu da Revolução, em Havana;
41) A Fragata Surprise: Museus de Florença - Guia de Sobrevivência;  
42) Direto de Paris: Os Museus de Troyes.
43) A Vida é Como Um Livro: Galeria Nacional da Noruega;
44) Dedo no Mapa: Museu Paranaense;
45) Ligado em Viagem: Beco do Batman é museu de grafite e arte de rua em São Paulo

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Livraria Lello - Porto


A Livraria Lello é famosa pelo seu interior, mas sua história remonta a 1869, quando publicava as obras de Camilo Castelo Branco e era conhecida como "Livraria Internacional de Ernesto Chardron". Somente em 1919 a razão social passou a ser Livraria Lello e Irmão Lda.


Em 1906 ela foi inaugurada no atual endereço, com projeto do engenheiro Francisco Xavier Esteves. Ela está localizada na Rua das Carmelitas, 144, em Porto. Em 1995, o prédio foi restaurado, sendo que o serviço foi atualizado e informatizado. Nesta oportunidade, criou-se uma galeria de arte e espaço para tertúlias culturais, sendo um importante ponto cultural da cidade.


É cobrado o valor de 3 euros para o ingresso na livraria, que é lindamente decorada em seu interior, com esculturas em madeira. Esse valor é descontado de eventual compra realizada. O objetivo era conter a horda de visitantes, mas isso chamou mais ainda a atenção, atraindo cerca de 3 mil turistas por dia. Sim, tem fila para comprar ingresso e para entrar! Esse simbólico valor é utilizado para obras de restauro, como por exemplo o da vidraça de 8 m de comprimento por 3,5 m de largura, composta por 55 painéis de vidro, de autoria do arquiteto holandês Gerardus Samuel Van Krieken. 




Os arcos apoiados nos pilares sob baldaquinos rendilhados, os bustos de diversos escritores, dentre eles o de Eça de Queirós e o de Camilo Castelo Branco, junto ao teto trabalhado, ao vitral e à escadaria são os destaques desta livraria. Reza a lenda, ainda, que a escada serviu de inspiração para J.K. Rowling em Hogwarts, nos livros de Harry Potter, pois a autora morou no Porto.




Esquece tirar uma foto na famosa escadaria sem alguém subindo ou descendo...  Abaixo, o espaço para exposições de arte (na oportunidade, era sobre Channel).


Dá para ter uma noção do tumulto??? Eu me irritei tanto que comprei um guia de fotografia e saí correndo, já que os livros que estava buscando não encontrei lá.



Vale a visita? Vale! O lugar é lindo mesmo! Mas vá sabendo do tumulto! Fui no final da tarde e estava assim, lotada.




domingo, 11 de junho de 2017

Tasquinha do Bê - Porto




A Tasquinha do Be fica no Centro Histórico do Porto, na esquina das Ruas Belmonte e Taipas, em Miragaia. Chegamos lá tarde (pelas 15h) e loucas de fome! Mesmo assim, fomos muito bem atendidas pela proprietária.

A comida estava deliciosa. De entrada, esse creme verde e como prato principal Jardineira de Carnes. Na verdade, era o prato do dia.



O prédio tem 280 anos e foi reformado internamente para receber o restaurante. Agora o que ganhou o nosso coração de vez foi a sobremesa... Comemos a baba de caramelo e nunca mais a esquecemos! ai, ai, ai...


Curta a página do restaurante no facebook e fique por dentro das novidades.


domingo, 4 de junho de 2017

Porto - roteiro do primeiro dia

Nosso roteiro a pé pelo Porto - Dia 1

Depois de uma bela recepção no Porto, no Retiro dos Carvalhos (como contei aqui), caímos na cama e apagamos. No dia seguinte, eu e a minha irmã resolvemos tomar café na padaria da frente, cuja vitrine era repleta de delícias, e, se fosse barato, nem compraríamos nada no mercado.


O café custou 9 euros (dois sucos e duas torradas). Resolvemos ir ao mercado. Gastamos 6,80 euros para café completo para nós as duas para os próximos 3 dias! Adoro ir ao mercado quando viajo. Mas só quando viajo...



A vista da Rua dos Clérigos é demais! Aliás, a cidade é muito bonita.

Largo dos Loios


Café tomado, compras feitas no mercado, tudo devidamente acondicionado 'em casa', hora de por o pé na rua e desbravar o Porto. Começamos pelo Largo da Liberdade e seguimos até a Igreja de Santo Ildefonso.


Desde a igreja é esta a vista que se tem da Rua dos Clérigos.


A igreja foi construída a partir de 1730 e foi concluída em 1739. Foi dedicada a Santo Ildefonso de Toledo. Sua fachada é composta por duas torres com sinos e recoberta por azulejos portugueses que retratam a vida do santo, de autoria de Jorge Colaço.
Em seu interior, o teto é de madeira e os altares são neoclássicos, com características em rococó.





Dali saímos na direção à Biblioteca Municipal do Porto. No caminho, passamos pelo Teatro Nacional São João, com sua fachada clássica, na Praça da Batalha.


Em razão da pesquisa de mestrado, a visita à Biblioteca do Porto tinha um objetivo, tanto para mim, como para a minha irmã. Realizada a pesquisa, hora de voltar às ruas.

A viagem também serviu para pesquisar sobre patrimônio ambiental

O prédio é lindo e possui nas paredes diversos painéis em azulejaria portuguesa dos séculos XV a XVIII. Vale a pena observá-los.




Tomamos as ruas do Porto de novo e saímos sem rumo pela cidade antiga e suas vielas. Há prédios bem preservados, outros nem tanto. Porto é uma cidade acidentada. São muitas subidas e descidas para se enfrentar. Isso dá um cansaço...


Almoçamos na Tasquinha do Bê. Dali fomos ao Centro Português de Fotografia e terminamos o dia (e as forças) na Livraria Lello. Escreverei sobre eles nos próximos posts.

Centro Português de Fotografia

Livraria Lello
 O cansaço nos dominou. O dedo do pé da Andressa começou a doer de novo (ela tinha quebrado ele duas semanas antes de viajarmos, lembra?). Eu estava de saco cheio, só queria um banho, um sofá e um chimarrão. Fomos para 'casa'. Antes, porém, passamos numa padaria e compramos algumas delícias portuguesas para degustar (depois das 17h elas são vendidas com descontos, a gente adorou! #asmaispobres hahahaha).


E que mate bueno! Acabamos desistindo de sair para jantar. Comemos o que tínhamos comprado de manhã e capotamos. Precisávamos estar preparadas para o dia seguinte, cujo roteiro era bem maior!